segunda-feira, 25 de junho de 2012

Da falta de entendimento & compreensão

 O que eu mais gosto daquele livro Vidas Secas, de Graciliano Ramos, não são as coisas pelas quais ele se tornou famoso: crítica social, retrato de uma sociedade e de uma época, romance desmontável. Okay, essas coisas são até interessantes, mas há algo ainda melhor. O que eu acho brilhante no Vidas Secas é que o modo como as coisas que acontecem na história podem ser lidas como uma grande metáfora do modo como acontece a vida de todo mundo. Do tanto que a gente bate a cabeça à toa, do tanto de brigas e raivas sem sentindo a gente vai acumulando, do quanto a compreensão do ser humano é limitada.

 Pra quem nunca leu, a história é de uma família de retirantes tentando encontrar seu lugar e seu sustento em tempos difíceis. O leitor acompanha o drama do retirante diante da seca implacável e da pobreza, o que acaba levando a relacionamentos secos e dolorosos entre os protagonistas. E é justamente aí é que está: o problema dos relacionamentos secos e dolorosos.

 Eu não sei você mas eu, enquanto estava lendo, ficava com vontade de chacoalhar um personagem e outro e dizer: por que você não explica pro fulano a situação, pra que ele entenda? Por que em vez de resolver a situação com A, você foi e empurrou B, que não tinha nada a ver com o pato? Por que vocês não conversam??

 Ou então sabe aquelas complicações que a gente vê nos filmes, que um fica com raiva do outro por conta de um mal entendido, só que por algum motivo ninguém conversa ou ninguém explica nada, então o mal entendido vai se estendendo, estendendo...? E a gente do lado de cá pensando: por que eles não sentam e conversam?? Por que fulana deixou o cara sair pela porta sem dizer nada?? Etc etc.

 Pois é. O Vida Secas é todo assim. Os personagens estão o tempo todo cansados e com fome, aí acabam brigando uns com os outros, mais porque estão estressados com a situação de vida difícil do que por qualquer outra coisa. Ah, e tem outra: por não terem estudado, o entendimento deles é muitíssimo limitado. Isso resulta num tal de um empurrar o outro, o outro reagir pior aínda, aí o primeiro resolve perdoar, mas agora o outro já arrnajou outra confusão com não sei quem, e assim vai todo mundo se empurrando, e brigando, porque é a única coisa que eles aprenderam fazer e na verdade ninguém está é entendendo nada.

 Olha a metáfora com a vida!!!

Um comentário:

  1. Advinha se eu me identifiquei com o que você escreveu? É sabido que o diálogo é o caminho prá tudo, mas não é nada fácil conversar com alguém sobre um assunto que a pessoa não quer falar.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião ou simplesmente um "alô"!