quarta-feira, 11 de julho de 2012

Uma loja chamada Macy´s

Você conhece a Macy´s de Nova York? Pois é. Eu também achava que conhecia.

Justiça seja feita, eu já havia ido lá algumas vezes. Houve a lendária primeira vez, na qual marido, de brincadeira, me desafiou a andar todos os onze andares - e eu fui - me arrastando, mas fui. Houve as outras vezes nas quais andei só no andar térreo, pra olhar cosméticos por alto e no máximo acabei subindo uma escada rolante ou duas antes de ir embora sem comprar nada (a maioria das vezes). Houve a vez que entrei lá na maior pressa com a missão de encontrar a jato uma bota de inverno que fosse confortável e bonita a um preço bom, já que era nosso segundo Natal visitando Nova York e a bota tão linda que eu tinha levado rasgou nos primeiros dez passos que dei pra fora do hotel. Houve a vez que marido e eu fomos lá pra lanchar no mc donald´s que tem no 7o andar e a conversa estava tão boa que quando fomos reparar, a loja já tinha fechado. E houve ontem.

 Ah, ontem. Começou com a seguinte diferença: foi a primeira vez que entrei lá com um objetivo que não o de passear. Precisava pegar uma encomenda de última hora, pra levar no cantinho que ainda resta na mala. Então lá fui eu, lista na mão, focada. E sim, parecia que seria só mais uma ida àquela loja enorme, que eu não entendo pra quê tão grande. Mas de repente, não mais que de repente... Coisas mágicas começaram a acontecer. Não sei se foi a música alta, a falta de janelas pro lado de fora ou a bebidinha que a mocinha estava dando na entrada pro pessoal experimentar, mas a seguinte sequência de fatos tomou lugar. Um: eu finalmente entendi qual é a lógica da loja e como encontrar coisas lá. Dois: me vi maravilhada com quantas coisas diferentes(!), de marcas variadas aquela loja tem. Três: comecei a ficar distraída e a perder o foco da lista - coisa que nunca acontece comigo. E nessa hora então percebi: a Macy´s havia me conquistado.

E paixão, você sabe como é. Muito sentimento, pouca clareza. Lembro de planejar uma ida ao banheiro e quando ver, estar maravilhada no meio da sessão de sapatos. Lembro de me aproximar de uma vendedora para pedir informação e sem perceber, entrar na maior conversa. Em algum momento devo ter elogiado o esmalte que ela usava, porque no momento seguinte, e com a ajuda dela, estava em frente ao vidrinho daquela cor exata -  porque, que surpresa, vendia lá também. Lembro de sentir fome e só então notar que já era hora do almoço. E que, peraí, até agora eu ainda não tinha ido ao banheiro.

 Você sabia que naquela Macy´s tem uma loja só de casacos de pele chiquérrimos, como aqueles das madames de filmes antigos? E que além das lanchonetes de praxe, lá tem não só um, mas três Starbucks? E desde quando começou essa moda na qual uma "roupa de zebra" significa uma roupa que tem, de fato, zebras na estampa? Há quanto tempo eu não saía pra fazer compras??

 No fim, após ter almoçado, comprado esmalte, e encontrado coisas que eu achava que teria ir em outras lojas pra pegar, terminei descobrindo que a única coisa mesmo que eu tinha ido lá buscar - ironia das ironias - eles não vendem. E aliás, deve ser a única coisa que não vendem lá. Porque o resto, acredite, eles vendem.

 Enquanto saía de lá correndo pela primeira porta giratória que avistei, antes que eu fosse tragada por aquele mar de mercadorias, tirei minha grande conclusão: que a Macy´s fica bem mais interessante quando você não vai lá só pra passear, mas sim... Pra comprar alguma coisa! Óóóó!! (E olha que as compras nem eram pra mim.)

Às vezes fico pensando que sou a criatura mais passada do planeta.

(Mas sim, na ocasião em que entrei lá naquele Natal na maior pressa, consegui encontrar a bota que precisava em menos de 20min por menos de 60 dólares. Conclusão: passada si, pero no mucho.)

Um comentário:

  1. Adorei. A Macy's realmente é ótima!!!

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião ou simplesmente um "alô"!