sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Da série: pensamentos esdrúxulos

 Toda vez que eu vejo uma foto antiga de alguém - aquelas fotos de infância de alguém que hoje tem, sei lá, cinquenta anos - me vem uma coisa na cabeça: não é engraçado como que nós, apesar de irmos ficando a cada dia mais velhos, ao mesmo tempo vamos nos tornando, a cada dia que passa, mais modernos? Olho essas fotos e fico pensando: é, a pessoa estava mais jovem nessa foto, mas estava tão mais antiga! Olha a roupa... O cabelo... O contexto... Os carros... Até a cor amarelada! (okay, essa pode ser por conta da fotografia, mas enfim. Você me entendeu. Rs) Ou seja, não estamos somente envelhecendo. A cada dia que passa, estamos também nos modernizando.

quinta-feira, 30 de agosto de 2012

10 decisões para NÃO se tomar às 3am


  1. Que se dane: vou comer o bolo todo.
  2. Pre-ci-so ligar pra ele/ela. Agora.
  3. Ah, e daí? É só uma mensagem inocente.
  4. Que ideia maravilhosa. Vou mandar um e-mail coletivo pro pessoal do trabalho agora mesmo.
  5. Qual o problema se eu não conheço esse povo? Eles foram tão simpáticos de oferecer carona...
  6. Ah, um drink a mais, um a menos, qual a diferença?
  7. E daí que está batendo nos 4 dígitos? A bolsa está tão linda. E online nem cobram taxa de entrega...
  8. Ah, vou postar e pronto.
  9. Esse e-mail já estava passando da hora de ser escrito...
  10. Vou resolver isso agora e não tô nem aí se está de madrugada.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Pavê de bombom

Esse pavê é bom, mas tão bom, que é até judiação com os outros pavês. Ele é um pavê muito diferente dos outros, a começar por não levar biscoito champagne nem bolacha maria. O creme é diferente, e não se assuste com a quantidade de creme de leite. Tem horas na vida que o melhor mesmo é fazer vista grossa! Rs.

Pavê de bombom



Ingredientes:

- 15 bombons de sua preferência (eu uso sonho de valsa)
- 1 2/3 xícara (chá) de leite
- 1 lata de leite condensado
- 2 latas de creme de leite
- 1/2 colher (sopa) de maisena
- 5 colheres (sopa) de açúcar
- 5 colheres (sopa) de chocolate em pó (tipo chocolate do padre)
- 3 ovos


Preparo:

Numa panela junte o leite condensado, 1 xícara (chá) de leite, 1/2 col. sopa de maisena e 3 gemas peneiradas (reserve as claras). Leve ao fogo baixo, mexendo sempre até engrossar. Deixe cozinhar por mais 5 minutos, mexendo sempre. Retire do fogo e misture uma lata de creme de leite sem soro. Em uma outra panelinha, junte mais 2/3 de xícara de leite leite e 5 col. sopa de chocolate em pó (chocolate mesmo, não serve achocolatado!) e misture. Leve ao fogo médio para ferver. Depois de ferver, retire do fogo. Reserve.

Numa batedeira, bata as claras até o ponto neve. Vá acrescentando 5 col. sopa de açúcar (bem cheias) aos poucos para as claras não murcharem, até ficar um merengue firme. Desligue a batedeira, acrescente uma lata de creme de leite sem soro (sim, é a segunda!) e misture, delicadamente, até incorporá-lo às claras. Reserve.
Agora vamos montar o pavê. Num refratário distribua uniformemente o creme amarelo no fundo. Pique os bombons grosseiramente e espalhe sobre o creme.Em seguida, regue com o choocolate dissolvido e cubra com o creme de claras. Polvilhe com um pouco de chocolate e pó.

Leve ao congelador por, no mínimo, 3 horas ou até ficar consistente. Tire uns 40 min antes de servir.

terça-feira, 28 de agosto de 2012

Elle me dit...

 Desde a primeira vez que ouvi essa música, amei. Impossível não ficar feliz e querer sair dançando!

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

O sentido da vida?

 Do dvd que estou assistindo, O Poder do Mito, uma tradução livre das palavras de Joseph Campbell:
"As pessoas dizem que o que estamos todos buscando é um sentido para a vida. Eu não acho que seja isso o que estamos realmente buscando. Acho que o que estamos buscando é a experiência de estarmos vivos, de modo que nossas experiências no nível puramente físico encontrem ressonância em nosso eu e em nossa realidade mais íntima, para que de fato, sintamos o arrebatamento que é estarmos vivos."
 O máximo isso. Concordo. Até porque, o sentido da vida acho que é esse mesmo: estarmos vivos. Então a eterna busca seria aquela de um sentimento maior, uma emoção que toma conta, um projeto que nos faça sentir completos, uma felicidade arrebatadora, talvez para nos "comprovar" que, de fato, estamos vivendo. 

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Me recuso

 Não. Nem 916 páginas de Vogue com 652 de InStyle irão me convencer a me vestir como se eu tivesse roubado um uniforme dos imortais da Academia Brasileira de Letras. Gente, pelamordedeus.
O bom é pra eles: aqueles velhinhos nunca estiveram tão na moda.

Ralph Lauren, nova coleção outono/inverno



 

 
O imortal Merval Pereira discursa na ABL
Falando de Deus, de um ponto de vista cético:
.
.
"Não acredito em Deus porque nunca o vi.
 Se ele quisesse que eu acreditasse nele,
 Sem dúvida que viria falar comigo
 E entraria pela minha porta dentro
 Dizendo-me, Aqui estou!

(Isto é talvez ridículo aos ouvidos
 De quem, por não saber o que é olhar para as coisas,
 Não compreende quem fala delas
 Com o modo de falar que reparar para elas ensina.)

Mas se Deus é as flores e as árvores
E os montes e sol e o luar,
Então acredito nele,
Então acredito nele a toda a hora,
E a minha vida é toda uma oração e uma missa,
E uma comunhão com os olhos e pelos ouvidos.
Mas se Deus é as árvores e as flores
E os montes e o luar e o sol,
Para quem lhe chamo eu Deus?
Chamo-lhe flores e árvores e montes e sol e luar;
Porque, se ele se fez para eu o ver,
Sol e luar e flores e árvores e montes,
Se ele me aparece como sendo árvores e montes
E luar e sol e flores,
É que ele quer que eu o conheça
Como árvores e montes e flores e luar e sol.
E por isso eu obedeço-lhe,
(Que mais sei eu de Deus que Deus de si próprio?),
Obedeço-lhe a viver, espontaneamente,
Como quem abre os olhos e vê,
E chamo-lhe luar e sol e flores e árvores e montes,
E amo-o sem pensar nele,
E penso-o vendo e ouvindo,
E ando com ele a toda a hora."

Fernando Pessoa como Alberto Caeiro
De O Guardador de Rebanhos

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Da nossa pequenez

 Precisava o homem não ter noção alguma do seu próprio tamanho comparado ao da Terra, da galáxia, do universo, para ficar se achando mais importante que o vizinho. Temos uma certa tendência a ser vaidosos, e a atribuir uma importância exagerada ao nosso ser. Mas pensando na dimensão do universo, na quantidade de galáxias e da dimensão de tudo que existe, a gente percebe o quanto é pequeno. E vendo assim, a distância que separa o mais sábio dos homens do mais tolo é irrisória, perto do que ambos desconhecem. Ou você consegue perceber qual dos micróbios em sua mão é o mais ilustre? Ou a grande vantagem daquele micróbio ali, que conseguiu ficar na parte direita da sua falange, e que agora está se exibindo para o que só conseguiu ficar na parte esquerda?

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

A partir de hoje me comprometo a malhar todo santo dia. Ou seja, Natal, Páscoa e Corpus Christi.

--------------------------------------------------------------------------

Disseram que aquele operário cuja cabeça foi perfurada pelo vergalhão teve muita sorte. Sorte? Por quê? Por conta dele não ter morrido? Bom, sorte não tivemos eu e você, que também não morremos, e cujas cabeças não foram perfuradas por vergalhões?

---------------------------------------------------------------------------

Uma sábia pessoa um dia me alertou para o seguinte: as pessoas dizem "se eu fosse você, faria isso e aquilo", quando na verdade deveriam dizer "se você fosse eu, faria tal coisa". Sim, porque se eu fosse você, eu não seguiria o meu conselho. Se eu fosse você, eu faria exatamente a mesma coisa que você está fazendo. Se você fosse eu sim, é que aí faria o que estou sugerindo.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

Minha mais nova música preferida

 A letra é maravilhosa. Bem Marisa. E bem Simone também.

quarta-feira, 15 de agosto de 2012

Tô precisando dar uma reformulada nesse bloguinho aqui. Ou vou reformulá-lo todo ou acabar com ele de vez (como fiz com todos os meus outros pobres blogs... rs).

 O que será que será?

 Aguardem cenas dos próximos capítulos...

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Estilos & escolhas

 Acho interessante ver o estilo de cada pessoa. Mas não o estilo quando elas estão preocupadas em se vestir com estilo. Gosto do estilo que se mostra nas escolhas que cada um faz quando não está pensando demais. Com as roupas que ficam em casa, por exemplo. É incrível como as pessoas escolhem coisas diferentes. O que faz alguém escolher um certo casaco e não outro? Levar a blusa x em vez da y? É o gosto, pessoal, particular. E assim, nas escolhas despretenciosas, cada pessoa veste coisas que a deixam ainda mais parecida consigo própria. E assim a gente consegue ver um pouco mais de quem aquela pessoa é.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012


" Há metafísica bastante em não pensar em nada.

 O que penso eu do mundo?
 Sei lá o que penso do mundo!
 Se eu adoecesse pensaria nisso.

(...)

 O mistério das coisas? Sei lá o que é mistério!
 O único mistério é haver quem pense no mistério.
 Quem está ao sol e fecha os olhos,
 Começa a não saber o que é o sol,
 E a pensar muitas coisas cheias de calor.
 Mas abre os olhos e vê o sol,
 E já não pode pensar em nada,
 Porque a luz do sol vale mais que os pensamentos
 De todos os filósofos e de todos os poetas.

(...)

 Pensar no sentido íntimo das coisas
 É acrescentado, como pensar na saúde
 Ou levar um copo à água das fontes.

 O único sentido íntimo das coisas
 É elas não terem sentido íntimo nenhum."

Fernando Pessoa como Alberto Caeiro
 De O Guardador de Rebanhos

terça-feira, 7 de agosto de 2012

To let go

Tão importante quanto lembrar é esquecer. Lembre-se disso. Mas esqueça, de vez em quando.