segunda-feira, 10 de setembro de 2012

Ah, o amor, o amor!

Amar às vezes anda junto com sofrer. No início, a gente sofre por não saber se é correspondido, ou sofre por não ser, e às vezes sofre por não corresponder. E quando tudo dá certo, termina o sofrimento? Muito pelo contrário. Aí sofremos com a ausência do ser amado, sofremos de saudades, de ciúmes, ou com eventuais desentendimentos. Mas é claro que está tudo justificado já que a parte boa... Ah, é tão boa! Sobre esse assunto, tem uma fala perfeita no filme de Woody Allen A última noite de Boris Gushenko. Nele, uma das personagens faz o seguinte discurso:
 "Amar é sofrer. Para evitar o sofrimento, não se deve amar Mas então, sofre-se por não amar. Portanto, amar é sofrer, não amar é sofrer, sofrer é sofrer. Ser feliz é amar; logo, ser feliz é sofrer. Mas o sofrimento deixa a gente infeliz, portanto para ser infeliz deve-se amar, ou amar para sofrer, ou sofrer por excesso de felicidade. Espero que você esteja entendendo."

Um comentário:

  1. Só completando; amar dá muito trabalho mas não amar dá mais trabalho ainda... não é nada fácil viver mas continua valendo a pena! Beijão minha escritora preferida.

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião ou simplesmente um "alô"!