segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Retiro o que disse

 Depois de ler "O Alquimista" parei de falar mal do Paulo Coelho.

Agora tem uma coisa: há anos que eu ouço falar desse livro, então eu meio que já esperava qual seria a moral da história. Só que a moral da história pra mim foi exatamente oposta ao que eu já tinha ouvido falar.

(Só não comento aqui o que eu entendi porque aí estaria estragando pra quem ainda não leu.)

 De qualquer forma, com duas décadas de atraso, li em três dias e amei.
.

4 comentários:

  1. Deixo livre as pessoas que amo. Se voltarem é porque as conquistei, se não voltarem é porque nunca as tive... Lembra o tanto que eu já repeti esse trechinho do Alquimista. Pois é, esse livro me marcou e pelo jeito você também gostou.

    ResponderExcluir
  2. O que vc entendeu? Eu quero saber.. rsrs

    ResponderExcluir
  3. Então vou contar, já avisando a quem não quiser saber que pare de ler esse comentário por aqui!

    Mas então... Naquele final, quando o viajante está finalmente lá no Egito cavando para tentar encontrar o tal tesouro de que tinham falado e aí conversa com um outro homem que está indo em busca de um tesouro que supostamente estava na Espanha (exatamente no local de onde ele havia partido) e ele então finalmente entende o que era seu tesouro, eu entendi que o tesouro seria justamente a jornada e não uma coisa que ele encontraria no final dela. Que o tesouro seriam os aprendizados, os desafios, as provações e as alegrias que vem com o caminhar... Ou seja, o tesouro é a própria vida... Foi o que eu entendi. Só que já tinha ouvido falarem que no fim do livro ele descobria que o tesouro estava no lugar de onde ele nunca devia ter saído - ou seja, seria uma mensagem exaatamente oposta à que eu entendi... O que você acha, Hellen??

    ResponderExcluir

Deixe sua opinião ou simplesmente um "alô"!