segunda-feira, 29 de dezembro de 2014


 Um brinde ao ano que passou e trouxe tantas coisas maravilhosas! Que 2015 seja melhor ainda!!!

segunda-feira, 22 de dezembro de 2014




E então é Natal...

 Que este ano seu Natal seja realmente especial pelas melhores razões. Seja numa festa grande ou numa celebração pequena, que você se encontre ao lado de pessoas que realmente ama e com quem seja muito gostoso estar. Que nesta noite as pessoas deixem de lado seus olhares críticos, suas mágoas, suas inseguranças e seus escudos, e que realmente estejam presentes de corpo, alma, e coração aberto. Que seja uma noite de fato feliz, na qual se percebe a grandiosidade de se poder celebrar mais um Natal ao lado de quem se ama. Que a comida esteja boa, que as piadas sejam engraçadas, que as conversas sejam interessantes e intermináveis e que as risadas sejam contagiosas. E que você perceba que seus melhores presentes são mesmo as presenças: tanto sua neste planeta, quanto das pessoas que te cercam em sua vida. Que não há nada melhor nem mais precioso do que celebrar o nascimento e a vida Daquele que veio nos trazer uma mensagem e a possibilidade de uma vida nova e muito melhor. Que você tenha, de coração, um FELIZ NATAL!


domingo, 21 de dezembro de 2014

Preferir. Incluir essa palavra no discurso sempre que possível faz toda a diferença.

 "Mas ele não podia ter feito isso!!" vira "Eu preferia que ele não tivesse feito isso." 

 "Como é que isso foi acontecer? É um absurdo!!" vira "Eu preferia que não tivesse acontecido."

"As coisas tem que ser de tal jeito" vira "Eu prefiro que seja de tal jeito". E por aí vai...
.



O que muda? Tudo. A começar pela percepção de que todos esses deve/ não deve/ pode/ não pode/ é o cúmulo/ é um absurdo/ é tão óbvio etc etc não passam de preferências nossas. E preferências são pessoais. São escolhas nossas, das quais o mundo não foi informado e nem será caso não verbalizemos. Não são regras nem verdades absolutas - apenas desejos individuais, que algumas vezes serão atendidos e outras não - e é assim que a vida é.

 Deve soar óbvio pra muita gente, mas por muito tempo essa ficha não me caiu.

 E quando eu finalmente me toquei disso, foi fantástico! Porque aí deixei de ficar tão indignada com tudo, ou de esperar isso ou aquilo dos outros, de me decepcionar e de me frustrar tanto... A gente continua preferindo que as coisas sejam assim ou assado, claro, mas quando elas não saem como a gente gostaria, não vem aquele sentimento negativo. Isso porque, com a consciência de que a maior parte das coisas são simplesmente desejos nossos, a gente deixa de se sentir no "direito" a ficar indignado ou sentir raiva, e deixa de se sentir injustiçado, ou vítima e por aí vai. A gente compreende que simplesmente algumas vezes as coisas saem como a gente gostaria e outras não. Algumas pessoas dizem o que a gente gosta de ouvir e outras não. E que a gente pode escolher conviver mais com umas e menos com outras. Mas o fato delas serem ou fazerem as coisas de certa forma não as torna "erradas" mas simplesmente diferentes das nossas preferências. 

E aí, a energia que seria disperdiçada bufando de raiva e se indignando com a vida pode ser direcionada à solucionar o problema ou tentar ajustar as situações para o que a gente gostaria mais - sem dramas, numa nice.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

It's Christmas time in the city.

quarta-feira, 10 de dezembro de 2014

Os cheiros - Danuza Leão

  Existem coisas que nunca esquecemos, os cheiros é uma delas. Inúmeras vezes nos deparamos com um cheiro e ele nos remete a lembranças remotas ou não. No início de 2010 li “Os Cheiros” escrito por Danuza Leão, tirei a página da revista e sempre voltava a lê-lo. Me sentir,sinto, dentro de todos os cheiros, é como voltar, reviver ou viver. Existem textos, citações, poesias, pensamentos... que nos envolve, toca, passamos a ser parte deles ou ele é parte nós?!

     Existem cheiros inesquecíveis. Cada pessoa tem seus prediletos. E basta uma mínima lembrança para que tudo volte: a temperatura do momento, a felicidade ou a tristeza que se sentia, as imagens de quem estava perto, tudo. Tudo. Cheiros podem ser alegres ou tristes. Era muito bom quando se entrava em casa depois do colégio, logo antes do almoço, e se sentia o cheiro do refogado – alho, cebola e tomate – para fazer o picadinho ou o bife de panela enrolado no bacon e preso por um palitinho. Quantos segundos você leva para atravessar o tempo e voltar aos seus 11 anos?
     Lembra quando há muitos, muitos anos, você ia passar as férias na fazenda? Ah, uma fazenda tem aromas absolutamente inesquecíveis: o do capim, o da terra depois da chuva, o do estábulo onde se ia de manhã bem cedo tomar o leite tirado da vaca, ainda morno, numa canequinha de alumínio. E o cheiro da tangerina? Aliás, tangerina não, mexerica; aquela pobrinha, modesta, de casca fina, que deixava a mão cheirando durante três dias.

      Esse é um cheiro muito alegre. O cheiro do bolo saindo do forno é para sempre – bolo de tabuleiro, cortado em losangos, com cobertura de açúcar com limão, e um detalhe precioso: naquele tempo, por mais que se comesse não se engordava, e em cima da mesa havia sempre um vidro de fortificante para abrir o apetite. Que felicidade ter tido uma infância no interior! Mas existem outros aromas não ligados ao paladar e também inesquecíveis. O cheiro do mar quando se chega em Salvador – uma licença poética, com licença. E você já teve uma tia-avó que morava numa casa bem arrumada, cujo assoalho era encerado toda semana? O brilho era dado a mão, com uma escova de cabo alto como uma vassoura, e era chegar e ouvir: “Cuidado para não escorregar”. Que cheiro limpo, honesto, que cheiro de gente direita. Será que isso ainda existe?

     Mas há também os cheiros angustiantes: os de hospital, de sala de cirurgia. Muito cheiro de flor você sabe o que lembra – melhor não falar disso. E existem os perfumes ricos: de carro novo, de um bom fumo de cachimbo. E vamos combinar: cheiro de alho é bom na cozinha, de sexo no quarto, e é proibido misturar. Por falar nisso, o cheiro do homem que se ama, depois do amor, é melhor nem lembrar para não desmaiar de saudade.

     As cidades também têm seu cheiro, cada uma muito particular: se você for levada, de olhos vendados, para o Bloomingdale’s, sabe na hora que está em Nova York. E se respirar um aroma de cominho misturado a curry e a canela vai saber que está no souk de Marrakesh.

     Mas existe um cheiro que só as mulheres conhecem. É o que elas sentem quando estão enxugando seus bebês depois do banho. É preciso que não haja uma só pessoa por perto num raio de 200 metros para não haver interferência de qualquer ordem. Sem nenhuma presença estranha – nem mesmo a do pai –, mãe e filho poderão dizer bobagens e rir de coisas que só eles vão entender. Depois do talco, a mãe vai botar o nariz no pescoço de sua cria e cheirar com todos os seus cinco sentidos. No princípio timidamente, mas cada vez mais forte, até quase arrebentar os pulmões de tanto amor. Na hora a gente não sabe, mas um dia vai saber: não existe nada igual a esse cheiro nem a esse momento, e nunca vai haver um melhor. Porque esse é o cheiro da vida.


segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Cântico VI
Tu tens um medo:
Acabar.
Não vês que acaba todo o dia.
Que morres no amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que te renovas todo o dia.
No amor.
Na tristeza.
Na dúvida.
No desejo.
Que és sempre outro.
Que és sempre o mesmo.
Que morrerás por idades imensas.
Até não teres medo de morrer.

E então serás eterno.
Cecília Meireles - em "Antologia Poética"


sexta-feira, 5 de dezembro de 2014


 E aqui estávamos, no nosso 1o dia de namoro - era meu aniversário de 20 anos, casa dos meus pais e num quarto que ainda tinha bichinhos de pelúcia.

 Esse dia aí era o primeiro dia oficialmente como namorados (depois dele ter feito o pedido com todas as letras) mas já estávamos saindo há uns dois meses.

 Mas a história toda mesmo já tinha começado há algum tempo. Afinal, eu o conheci quando tinha 16 anos...

 Enfim... Tivemos vários começos... E recomeços... E eles dariam livros e filmes, mas não são o mais importante da história, já que o que importa mesmo não são quantos começos essa história teve, mas sim que ela nunca terá fim!

 Feliz Aniversário de Casamento, meu amor!!! 5 anos!!!