terça-feira, 28 de abril de 2015

Da crueldade

De vez em quando passa no jornal essas notícias terríveis de gente que é pega maltrando animaizinhos. A gente assiste indignado, sem entender como alguém pode ser tão, mas tão cruel que consiga se divertir ao provocar sofrimento em outro ser. Outras horas são notícias de gente maltratando crianças, idosos, ou de violência mesmo... Enfim, a gente pensa: como alguém pode fazer isso, e ainda tirar algum prazer de tal ato?

 Pois é. As pessoas falam isso do alto de suas "santidades", esquecendo que outros atos que ela faça ou já tenha feito são da mesma natureza. Se juntar a alguém para falar mal de uma terceira pessoa, por exemplo. É um jeito de se "divertir" às custas de um terceiro. Esnobar: é uma forma de se sentir melhor às custas do sofrimento alheio. "Ganhar a briga": é diversão às custas de deixar alguém emocionalmente destruído. Traição: é diversão às custas de alguém (e o pior: geralmente alguém que está de inocente, e de coração aberto e puro na história). Corrupção, olha como é terrível: é diversão às custas do sofrimento de muitas pessoas. 

 E por aí vai. E o que seria se divertir às custas de outra pessoa que não crueldade?

 Mais uma vez, Jesus estava certo ao pedir: que atire a primeira pedra... A gente pode ser totalmente santo em vários desses quesitos, mas nunca ter feito nenhum ato da mesma natureza...? Difícil.

 Em vez de perder tempo atirando pedras, melhor prestarmos atenção às que porventura estejamos atirando, antes que as consquências comecem a bater à nossa porta.